domingo, 31 de outubro de 2010


Antes de começar , vamos à apresentação. Meu nome é Laura, sou a nova colaboradora do blog, também sou dona do Rock-Ladies .
Pra dar inicio à minha participação escolhi falar de um assunto que até hoje gera um pouco de polêmica. Apesar de estarmos no século XXI, até hoje existe um pouco de preconceito com as mulheres na sociedade, seja no local de trabalho, na escolha de uma profissão, na vida social e no universo do rock não seria diferente. Não podemos negar que até hoje a sociedade é um pouco machista, e até certos anos atras podiamos ouvir que futebol era só coisa de homem. Apesar de tudo, as mulheres vêem mostrando que de "sexo frá
gil" não
têm nada, e vem cada vez mais mostrando sua força para a sociedade. E no Rock não poderia ser diferente. Os cabelos longos, a calça colante, o brincos, pulseiras e até mesmo a maquiagem adotada por muitos roqueiros foram roubados do guarda-roupa feminino. Mas isso foi só um pouco do que as mulheres colaboraram no universo da música.
Deixando de lado a sociedade machista, elas foram aparecendo e botando a cara pra bater, e deixando muito marmanjo pra trás.
Não é possível se falar de mulher e rock, sem falar em Janis
Joplin. A pioneira no Rock, a quebrar tabus e conquistar uma carreira meteórica, no fim da década de 60. Mas Janis foi só a primeira.
Logo o mundo ficaria aos pés de Suzi Quatro e seu glam rock, das musas Joan Jett e Lita Ford (minhas preferidas haha) e sua banda formada só por mulheres, The Runaways, e da carismática Debbie Harry, vocalista do Blondie.

Lita Ford / Suzi Quatro / Joan Jett

Não somente no hard rock que a mulherada obteve êxito, seguindo uma linha mais pesadacom forte influência Punk, as inglesas do Girlschool conseguiram grande repercussão, excursionando até com o Motörhead, considerados os “padrinhos” da banda, o que não é para qualquer um.


As meinas do Girlschool

Nos ano 80 surgiu a banda The Bangles, fazendo história com o album “All Over the Place”, juntamente com as meninas do Go Go’s, foram eleitas os maiores nomes do chamado Pop / New Wave. E por falar em anos 80, não poderia deixar de citar o maior nome feminino do Hard Rock, Vixen, que se tornou um fenômeno de vendas no mundo todo.

Outro grande nome do rock, é a alemã Doro Pesch, inicialmente com o Warlock e depois simplesmente como Doro, gravando grandes albuns nos anos 90. Foi nessa época também, que o mundo conheceu as californianas do L7 e seu Heavy Metal. O grupo conseguiu emplacar vários hits no rádio e também na MTV, chegando a se apresentar no Brasil em 1993, no festival Hollywood Rock.
As californianas do L7

Está enganado quem acha que só em bandas exclusivamente formada por mulheres que o até então visto como "sexo frágil" conseguiu renome no rock. Há também as mulheres que ganharam destaque tocando um determinado instrumento em uma banda formada por homens, como as baixistas Sean Yseult e D’Arcy Wretzky, do White Zombie e Smashing Pumpkins, ou atuando como ‘front woman’, como Gwen Stefani, do No Doubt e Shirley Manson, do Garbage.
Gwen e Shirley

Há também as que optaram por carreiras solo e investiram num tipo de som mais acessível como Alanis Morrisette, Sheryl Crow e Tori Amos, mas sem deixar de esbanjar atitude e carisma, e sem deixar a desejar na qualidade de som para nenhum "barbado". São as mulheres também que lideram a maior parte dos grupos Doom / Gothic, com seus vocais líricos e angelicais, que se encaixam perfeitamente nas orquestrações e atmosferas viajantes tão características do estilo. Podemos citar como as maiores representantes, beldades como Vibeke Stene (Tristania), Liv Kristine Espenæs (Theatre of a Tragedy), Tarja Turunen (Nightwish), entre outras.

No Brasil temos grandes nomes como Rita Lee, ex-Mutantes, a já falecida Cássia Eller, Paula Toller do Kid Abelha e Fernanda Takai do Pato Fu, a guitarrista Syang, que hoje trilha outros caminhos, além da saudosa banda de Heavy Metal, Volkana, só para citar alguns.


Não há como negar o quanto as mulheres foram e são importantes para o Rock, seja pelo seu estilo, seja a mensagem que sua música queira passar, o fato é: rock sempre foi e sempre será agradecido pela presença dessas e todas mulheres rockeiras.

E você tem sua roqueira preferida?

Valeu galera, essa foi minha primeira contribuição pro blog, a primeira de muitas. Espero que tenham gostado e até a próxima!

3 comentários:

  1. minha favorita?? Sharon den Adel, linda e canta muito...

    ResponderExcluir
  2. Tem também a Meg White, da dupla The White Stripes. Ela toca bem bateria e às vezes arrisca no vocal, como na música "Cold Cold Night", do álbum Elephant

    ResponderExcluir

1 - Comentários com conteúdo ofensivo não serão aceitos

2 - Para denunciar algum comentário hostil, clique em "relatar" que ele será avaliado

Seguidores